Destaque

Itaipu financiará obras de rodovia estratégica para o Estado

Um convênio entre Itaipu Binacional, Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) e Governo do Paraná vai garantir o seguimento de parte de um dos mais estratégicos projetos rodoviários do Estado. A parceria será responsável pela execução das obras no trecho paranaense da BR-487, mais conhecida como Estrada Boiadeira. Itaipu deverá apontar R$ 228 milhões para viabilização do empreendimento. Os recursos serão utilizados na implantação, reparação, restauração e pavimentação, além das obras de arte, em 47 quilômetros da rodovia. O trecho liga os municípios Icaraíma (Porto Camargo) e Umuarama (Serra dos Dourados), no Noroeste do Paraná, e deve estar pronto até início de 2022. A Itaipu relata que a BR-487 não está na área de abrangência da usina, mas faz parte da bacia do Rio Ivaí, que desemboca no Rio Paraná e é importante pela sua contribuição ao reservatório da hidrelétrica. Para viabilizar a obra, o Dnit, responsável pelo empreendimento até o momento, vai aprovar o projeto e supervisionar a execução das obras, que ficará a cargo do governo estadual. O governador Ratinho Junior destacou a importância do investimento anunciado pela Itaipu Binacional na Estrada Boiadeira. "Mais uma iniciativa de grande impacto que a empresa adota em favor do Paraná. Temos uma forte parceria com a direção da hidrelétrica para projetos importantes no sistema logístico paranaense e a obra na Estrada Boiadeira reforça este apoio que o governo federal está concedendo ao nosso Estado por meio da Itaipu", afirmou. CORREDOR Segundo a diretoria da Itaipu a obra contribui com um projeto mais amplo, de criação de uma rota bioceânica. O corredor rodoviário permitirá conectar o Porto de Paranaguá, e outros terminais brasileiros, a Antofagasta, no Chile. "O sonho de ligar os oceanos Atlântico e Pacífico já tem 60 anos, e só agora começa a se concretizar", informa o comunicado da Itaipu. Segundo a empresa, a interligação bioceânica prevê uma rodovia de mais de 2,4 mil quilômetros, entre Campo Grande (MS) e o porto chileno, que poderá reduzir em até duas semanas o tempo de viagem das exportações do Brasil para os países do Oriente, principalmente China, Japão e Coreia do Sul. A intervenção na Estrada Boiadeira amplia as condições de acesso do Noroeste paranaense à cidade de Porto Murtinho (MS), onde será construída uma nova ponte entre Brasil e Paraguai. A passagem chega à cidade paraguaia de Porto Peralta e reforça o projeto bioceânico.