Educação

A educação bilíngue como forma de entender e se conectar melhor ao mundo

Ter fluência genuína em um segundo idioma abre muitas oportunidades, tanto no Brasil como no exterior. Neste cenário, o inglês, especialmente, tem um papel fundamental, sendo a língua predominante nas trocas internacionais nas áreas de ciência, tecnologia, educação, cultura e negócios de forma geral. O avanço da globalização e a transformação digital deram ainda mais relevância a esse papel, visto que a comunicação, mesmo a milhares de quilômetros, passou a ser instantânea e extremamente acessível.
 

Chegar a uma fluência verdadeira, porém, demonstra-se um grande desafio, ainda mais no contexto educacional e cultural brasileiro, pouco acostumado ao exercício de uma segunda ou até terceira língua como ocorre na Europa e no Canadá.
 

Um caminho que vem apresentando ótimos resultados é a educação bilíngue por imersão. Nela, os alunos são expostos ao segundo idioma desde cedo, o que os estimula a pensarem e sentirem em dois idiomas em vez de apenas "traduzirem" o que dizem, leem ou escrevem. Isso permite que eles se relacionem de maneira diferente e única com as situações que vivem em cada uma das línguas.
 

Essa abordagem permite também uma adaptação mais natural a diferentes culturas. Isso porque o bilinguismo vai muito além de entender outra língua: ele pressupõe compreender todo o contexto que existe e que pode ser expresso por uma língua. Quando levamos em conta uma mesma língua falada em dois países diferentes (Brasil e Portugal, por exemplo), perceberemos sutilezas e detalhes que parecem pequenos, mas que fazem toda a diferença na forma de interpretar o mundo ao redor.
 

Por isso, o bilinguismo presente na metodologia canadense - criada há mais de meio século - ainda é tão inovador. Ele propõe que o aprendizado dos dois idiomas seja feito ao mesmo tempo, de maneira imersiva: os alunos precisam literalmente mergulhar em cada língua para poderem apreendê-la e compreendê-la. É essa conexão entre a expressão e o contexto que faz o bilinguismo canadense especial. O aprendizado da língua não é feito sem objetivo ou estratégia. Ele acontece não apenas com uma função, mas também como uma maneira de conectar o aluno àquilo que ele vive: seu lugar no mundo, suas emoções, suas necessidades e desejos.
 

As crianças aprendem, pelo contato com a língua inglês na escola, que ela é tão natural quanto a língua portuguesa falada em casa, por seus pais, irmãos e outros familiares. Dessa forma, na Maple Bear, o ensino para os pequenos começa com o inglês - pois a naturalidade do português já está em suas outras esferas de convívio social. Já quem começa a apreender um pouco depois ou mesmo adulto, de forma geral, tende a ter mais dificuldade, pois já possui uma língua materna enraizada.

É importante ressaltar que o impacto do bilinguismo genuíno ultrapassa as esferas profissional e pessoal, ele abrange também aspectos cognitivos, pedagógicos e mentais. Há benefícios em relação à cognição e linguística, por exemplo. A habilidade metalinguística é uma delas, que consiste em associar diferentes significados a um mesmo vocábulo. Essa capacidade auxilia a desenvolver melhor e mais rápido a leitura e escrita. Além disso, há um aprimoramento da atenção, utilizada para alterar de idiomas conforme o contexto e necessidade. Essa mesma atenção pode ser aplicada também em tarefas cotidianas, outro ponto importante.
 

Cabe desmistificar também algumas percepções equivocadas nesta área, como a de que aprender dois idiomas ao mesmo tempo pode causar confusão nas crianças. Vários estudos, em diferentes países, demonstram que não, pelo contrário, o conhecimento linguístico adquirido em uma língua acaba ajudando no desenvolvimento da outra. Por exemplo, na questão de estruturas gramaticais, criação de sentenças e até formação de alguns vocábulos há similaridades que podem ser aproveitadas. Tampouco as crianças precisam de alguma capacidade especial ou tem dificuldades de pronúncia, pois tudo ocorre de forma orgânica ao longo do desenvolvimento escolar.
 

Por fim, vale ressaltar que a metodologia de ensino geral também faz toda a diferença, tendo as brincadeiras um papel muito importante, assim como a paixão pelo estudo e o aprendizado científico baseado em hipóteses e investigação. Na abordagem canadense - já reconhecida como a melhor entre os países de língua inglesa pelo PISA -, a segunda língua é utilizada no cotidiano da criança, em atividades interessantes e motivadoras como brincar e pesquisar e artísticas como cantar e desenhar.
 

Assim, na Maple Bear, o bilinguismo permite que cada criança faça conexões entre ela mesma e o mundo que a rodeia, ajudando-a por meio da língua, a compreender e interpretar melhor a realidade que a cerca para toda a vida.

* Phyllis Hildebrandt é diretora acadêmica da Maple Bear.

Sobre a Maple Bear

Com origem em North Vancouver, British Columbia, Canadá, e com mais de 500 escolas em 24 países, atendendo mais de 40 mil alunos, a Maple Bear Canadian School é líder mundial em educação bilíngue, oferecendo ensino Infantil, Fundamental e Médio de alta qualidade, fundamentado nas práticas que posicionam a educação canadense entre as melhores do planeta. Ministrada em um ambiente seguro e estimulante e com uma abordagem multicultural e centrada no aluno, a metodologia Maple Bear desenvolve a curiosidade, a imaginação, a experimentação e a descoberta, despertando nos alunos uma verdadeira paixão por aprender ao longo de toda a vida. Presente em todos os estados brasileiros e com mais de 150 escolas, a Maple Bear é também parte das operações do Grupo SEB - um dos maiores grupos educacionais do Brasil e do mundo.