Cidades

Dr. Culestino é exemplo de boa gestão e humildade

Um político ético, honesto e humilde, que luta pelos anseios da população, que está presente no dia a dia da sociedade que o elegeu, que dá respostas de seu trabalho a todos, que não abandona as suas origens e que administra pensando no presente e no futuro do município, explorando as suas potencialidades, o seu crescimento e o seu desenvolvimento sustentável. Esse é o perfil do prefeito de Cafelândia, Culestino Kiara, que tem a responsabilidade e a sensibilidade necessária para cuidar de quem mais precisa e criar políticas públicas para a melhoria da qualidade de vida e bem-estar dos mais de 18 mil habitantes de Cafelândia. “Ser prefeito é ter a sensibilidade e a responsabilidade de governar para todos, principalmente, para os que mais precisam. Com muito trabalho, criatividade e determinação, conseguiremos fazer sempre mais. Governar um município da importância de Cafelândia é uma grande responsabilidade, mas é, antes de tudo, uma grande honra”, ressaltou o prefeito.
Pelo seu profissionalismo e dedicação, Culestino Kiara é reconhecido como uma referência na medicina. O seu contato com o povo o levou a trilhar os caminhos da política. Foi assim que atendendo ao chamado do seu partido, o PL, e também da população, se colocou como candidato a prefeito nas eleições de 2020. Fazendo uma campanha limpa e transparente, foi eleito com 5.423 votos, o equivalente a 52,84% dos votos válidos, em uma grande festa da democracia, tornando-se o prefeito de todos os cafelandenses. “Nas últimas eleições, a direção do partido me chamou para conversar, me apresentou uma pesquisa onde meu nome aparecia com uma boa aprovação e que seria o único possível para vencer as eleições. Depois disso, o partido ficou me namorando, fazendo propostas e acabei cedendo com base em algumas exigências, entre elas, uma campanha sem gastos, limpa e autonomia para montar a minha equipe de governo”. 
Capacidade de trabalho e bom relacionamento político são traços marcantes de Culestino Kiara, que tem implementado uma gestão de resultados, pautada na parceria com os governos estadual e federal, Itaipu e Copacol. “Graças a Deus, Cafelândia vive uma nova realidade e no que depender da minha administração e das parcerias com os governos estadual e federal, Itaipu e Copacol, continuaremos avançando e a todo vapor”, enfatizou.
Em entrevista ao jornal A Voz do Paraná, Culestino Kiara, que tem adotado um modelo de gestão democrático e está sempre aberto a receber demandas vindas da sociedade, sejam individuais ou coletivas, enaltece que “é preciso sempre ter a humildade de ouvir as pessoas, não importa se é um gari, um agricultor, um professor ou um advogado. Eu acredito que a administração precisa ter um projeto, não para três ou quatro anos, mas para 20 anos”.
Leia, a seguir, a íntegra da entrevista:

 

 

Jornal A Voz do Paraná: Quem é Culestino Kiara?
Culestino Kiara:
Eu sou nascido em Cianorte, no dia 6 de maio de 1960. Estudei o colegial no mesmo município e fui para Curitiba fazer cursinho pré-vestibular. Passei na federal no Rio Grande do Sul, onde me formei médico. Depois, fui para São Paulo, onde atuei na prefeitura e depois de um tempo me mudei para Formosa do Oeste, onde meu irmão, que também é médico, atuava. Vivi por 14 anos no município e desde 2002 estou em Cafelândia. Já são 19 anos de amor e trabalho por essa cidade que me acolheu de braços abertos. Sou casado com Roseli Camilo, que tem me apoiado em minhas tomadas de decisões e também nessa jornada frente ao Executivo.

 

Jornal A Voz do Paraná: De onde vem o gosto pela política?
Culestino Kiara:
Eu sai de Formosa do Oeste por não ser político e eu vim para Cafelândia, mas como sempre atuei na saúde pública, conheço muita gente e as pessoas começaram a dizer: seja candidato a prefeito. Eu nunca tinha sido candidato a nada, porém, no ano da eleição anterior, o meu nome já tinha sido apresentado, mas, naquele momento, apenas me filiei ao partido. Nas últimas eleições, a direção do partido me chamou para conversar, me apresentou uma pesquisa onde meu nome aparecia com uma boa aprovação e que seria o único possível para vencer as eleições. Depois disso, o partido ficou me namorando, fazendo propostas e acabei cedendo com base em algumas exigências.

 

Jornal A Voz do Paraná: Quais foram as exigências?
Culestino Kiara:
Uma campanha sem gastos, limpa e autonomia para montar a minha equipe de governo. Esse foi o nosso acordo. Somente com essas condições eu iria disputar as eleições e o partido aceitou. 

 

Jornal A Voz do Paraná: Em que momento você sentiu que poderia ganhar as eleições?
Culestino Kiara:
No início da campanha, foi uma crescente, o meu nome começou a se popularizar, as pesquisas mostravam meu nome na liderança, mas, logo após, eu fui infectado pela Covid-19. Durante esse período, fiquei 20 dias em casa, com 50% do pulmão comprometido, quase necessitando de intubar, mas, graças a Deus, consegui me recuperar. Passando esses 20 dias de isolamento, já restavam apenas 10 dias para as eleições. Em seguida, comecei ir às ruas e como eu não conseguia andar muito, fizemos uma carreata de apresentação e começamos a fazer algumas reuniões. Eu não conseguia ir em todas, pelas sequelas do Coronavírus e, nessa ocasião, comecei a me questionar sobre o cenário político, foi onde ganhei força. No início, eu não estava muito afim, mas disputei pelo grupo, mas não tinha essa pretensão, todavia, depois da doença, refleti e acreditei, porque vi que a nossa cidade precisava de um líder, um gestor que olhasse para as pessoas, que melhorasse o atendimento, que inaugure o hospital. Foi olhando para essas necessidades que eu quis ganhar, pelas pessoas que trabalham e precisam de um município que funcione. A partir dessa reflexão, eu me lancei por inteiro em vencer as eleições.


Jornal A Voz do Paraná: Qual foi sua reação quando recebeu o resultado das urnas?
Culestino Kiara:
Toda vitória é uma alegria, depois vem aquele momento de reflexão e estudo para montar a equipe de governo, que exige muita análise, mas não tivemos muito tempo, porque a eleição ocorreu em novembro, logo já era dezembro e em janeiro assumimos. 

 

Jornal A Voz do Paraná: Não tinha nada programado em relação à escolha da sua equipe?
Culestino Kiara:
Não, na verdade eu fui conhecendo pessoas capacitadas durante a campanha, porque eu sempre trabalhei em hospital, fiquei sempre no consultório, eu não saia muito, então, eu não tinha aquela vivência com a comunidade, até porque, como único médico do hospital, eu não podia sair muito. No momento de escolher a equipe, a preocupação era deixar o governo com a nossa cara, procurando pessoas de boa índole, comprometidas com a população, humildades e humanas. É isso que eu prezo e foi assim que eu escolhi o meu secretariado. 

 

Jornal A Voz do Paraná: Diante de tantas coisas boas acontecendo no município, com inaugurações e investimentos, qual é o feedback da população?
Culestino Kiara:
É muito bom. Eu sempre gostei de ir ao mercado fazer compras, e eu entro de peito aberto, sem medo. No primeiro dia na prefeitura, eu entrei com meu carro na garagem e me deram a chave de uma porta que da acesso privativo a prefeitura, mas me neguei a usar, eu quero entrar pela porta da frente, porque quando eu sair, quero sair pela porta da frente, assim como eu entrei. 

 

Jornal A Voz do Paraná: O senhor sente-se bem sentando na cadeira de prefeito?
Culestino Kiara:
Eu quase não sento naquela cadeira, eu não gosto muito daquela mesa. Eu sou uma pessoa simples, não tenho ego para isso, eu gosto de ouvir as pessoas, porque sei que elas têm sugestões boas para fazer, não importa se têm formação, elas sempre têm uma opinião. Como médico, se ouve e fala pouco, então, precisamos ouvir essas pessoas, porque tem muita gente com ideias que podem resolver problemas. É preciso sempre ter a humildade de ouvir as pessoas, não importa se é um gari, um agricultor, um professor ou um advogado. Eu acredito que a administração precisa ter um projeto, não para três ou quatro anos, mas para 20 anos. Precisa saber de onde viemos e para onde vamos. Eu não nasci aqui, mas estou nessa cidade há quase 20 anos, e eu vejo que essa cidade precisa manter e preservar a sua história. Cuidar da saúde da população nunca foi um grande desafio para mim; mas, administrar uma cidade pujante como a nossa, tem sido o maior desafio da minha vida. Ser prefeito é ter a sensibilidade e a responsabilidade de governar para todos, principalmente, para os que mais precisam. Com muito trabalho, criatividade e determinação, conseguiremos fazer sempre mais. Governar um município da importância de Cafelândia é uma grande responsabilidade, mas é, antes de tudo, uma grande honra.

 

Jornal A Voz do Paraná: Como você vê a família?
Culestino Kiara:
Eu acredito que a família é a base de tudo. Com a pandemia, as famílias se uniram muito, os lares ficaram mais acolhedores. 

 

Jornal A Voz do Paraná: Quais são a suas prioridades daqui para frente?
Culestino Kiara:
Vamos continuar o nosso projeto, conseguimos uma unidade básica de saúde, conquistamos novos veículos, recursos e implementos para a Agricultura Familiar e é assim que nós vamos continuar entregando obras que estão em conclusão, dando andamento nas já começadas e iniciando tantas outras. Sabe o que me motiva a continuar trabalhando por esse município? São as grandes obras, os grandes feitos; mas também são às pequenas transformações que já fizemos e que isso, não tem recurso no mundo que pague; zeramos a fila de exames eletivos em espera, criamos e já colocamos em prática o kit lanche, humanizamos a entrega das cestas básicas nas residências das famílias em vulnerabilidade social, reativamos a horta e oportunizamos alimentos de qualidade aos alunos e às famílias em vulnerabilidade, criamos a Escola do Trabalho, onde estamos licitando todos os cursos que serão ministrados, criamos ainda o Bela Gestante, que logo estará sendo executado; além é claro de estarmos caminhando a passos largos para a abertura do Hospital com tratativas constantes na Regional e na Secretaria Estadual da Saúde. Vamos seguir trabalhando com determinação e coragem. 

 

Jornal A Voz do Paraná: Uma mensagem à população?
Culestino Kiara:
Nunca escondi de ninguém que o desafio de ser prefeito era grande, mas a vontade de fazer o bem por cada um dos mais de 18 mil habitantes de Cafelândia sempre foi maior. Agradeço a cada cafelandense que têm entendido nosso recado; que tem visto que pequenas ações podem sim transformar o mundo em que se vive. Posso estufar o peito e dizer hoje, sem sombra de dúvidas: estamos no caminho certo, afinal, em um ano de gestão conquistamos muitos feitos mesmo em meio a uma pandemia devastadora. Graças a Deus, Cafelândia vive uma nova realidade e no que depender da minha administração e das parcerias com os governos estadual e federal, Itaipu e Copacol, continuaremos avançando e a todo vapor. Seguimos trabalhando!