Culinária

Hora de mudanças: substituição de carne animal e procura por alternativas veganas

Segundo dados da Bloomberg Intelligence, um serviço de pesquisa de mercado global, a comercialização de produtos à base de plantas pode crescer de US$ 29,4 bilhões em 2020 para US$ 162 bilhões em 2030. Esse aumento é puxado pela somatória do público vegano e dos flexitarianos, aqueles que estão reduzindo o consumo de alimentos de origem animal. A preocupação com os efeitos na própria saúde e no meio ambiente vem atraindo cada vez mais adeptos, o que, por sua vez, vem transformando o mercado de uma forma geral e atraindo empreendedores que perceberam essa mudança de hábito do consumidor.

Uma destas empresas é o Açougue Vegano, primeira rede de franquias de restaurantes veganos do Brasil, com lojas nas regiões Sudeste, Norte e Nordeste. O propósito da marca sempre foi acabar com o preconceito em relação a produtos sem origem animal e quebrar o paradigma de que não são saborosos, mostrando o exato oposto: podem ser muito bem temperados e agradar qualquer paladar. O resultado desta empreitada deu certo e hoje contam com mais da metade de clientes que são os chamados flexitarianos - que ainda consomem carne e afins - mas se preocupam em diminuir o consumo e gostam de produtos veganos.

O grande diferencial da rede é justamente entregar opções de pratos com texturas, saborosas e muito bem temperadas, com receitas exclusivas e sem deixar de ser acessível, já que esse também é outro estigma da culinária vegana. Ela pode ser muito boa, sem ser cara. Para quem deseja investir em uma franquia, há três modalidades de negócios: a loja, com investimento inicial de R$160 mil, o quiosque, com aporte de R$ 130 mil, e o modelo pocket de R$ 94,5 mil. 

Sobre o Açougue Vegano 

Criada no Rio de Janeiro em 2016, é a primeira rede de franquias de restaurantes veganos do Brasil. Nasceu do encontro entre os amigos Celso Fortes e Michelle Rodriguez que, na época estudantes de gastronomia, começaram a elaborar receitas que fossem realmente saborosas e convencessem os paladares mais exigentes de que a carne não é assim tão essencial. As receitas impressionam até quem não abdicou do consumo da carne, que inclusive hoje representa 58% dos clientes da rede. Entre elas, a coxinha de jaca, premiada pela Sociedade Vegetariana Brasileira, o espetinho de soja, a feijoada vegana, a moqueca de banana da terra, além de uma linha de congelados para ser preparada em casa. Entrou para o franchising em 2019 e, atualmente, possui sete lojas espalhadas no eixo Rio-São Paulo, uma em João Pessoa (PB), Manaus (AM) e Teresina (PI).