Tecnologia

Busca por cursos de carreiras digitais dispara; veja dicas para melhorar seu currículo

Com o avanço tecnológico, a disputa por profissionais desse setor cresceu. Segundo dados do relatório da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Abrat), o déficit de trabalhadores com esse perfil pode chegar a 260 mil até 2024. E, esse cenário é uma oportunidade para que novas pessoas se profissionalizem neste segmento.

A busca por cursos relacionados a carreiras digitais também alavancou, é isso o que revela um levantamento realizado pela Gama Academy, escola que seleciona talentos e forma profissionais para o mercado digital nas áreas de design, marketing, programação e vendas. Na comparação entre o último trimestre de 2021 contra o 1º trimestre de 2022, a adesão de novos alunos por esses cursos aumentou: só para a área tech, o salto foi de 598% (10.442 pessoas), para design o aumento foi de 276%.

“As pessoas estão passando por uma ressignificação do trabalho, elas estão pensando no que fazem e porquê fazem; ou seja, no sentido que isso tem. Junto disso, também avaliam a remuneração: elas buscam locais e setores que as remunerem de acordo com aquilo que esperam e um sentimento de pertencimento nesses novos locais ou áreas”, avalia Guilherme Junqueira, CEO e fundador da Gama Academy.

Um profissional que passou a investir na área foi o Guilherme Martins, 27, que trabalhava com operações de cafés e restaurantes e apostou em um curso direcionado à tecnologia. “Era um sonho poder fazer uma transição para as áreas digitais, para me ajudar nisso, procurei o curso de XP da Gama Academy, fiz toda a ambientação de como atuar na área e com cerca de quatro meses, um pouco antes de finalizar o curso, me candidatei para uma vaga no LinkedIn para Product Designer. Para minha surpresa eu passei no processo seletivo e hoje, sou Product Designer na PicPay”, comenta.

Esse cenário deve permanecer otimista. O estudo anual sobre o mercado de software basileiro, divulgado pela Associação Brasileira das Empresas de Software (ABES) mostra que o Brasil permanece em destaque, as comercializações brasileiras giraram em torno de US$45,7 bilhões no ano passado, ficando em décimo lugar no ranking das economias de tecnologia globais.

Neste mês, a marca lançou o “Manual de transição de carreira para Product Design. “Nosso principal objetivo com a criação deste material é servir como um guia de transição para a pessoa, acompanhando ela em diferentes etapas desse processo. Mostramos o que a pessoa precisa estudar em cada nível de senioridade (indo do básico ao avançado) e trazendo referências de livros, pessoas e etapas de estudo dentro do material pedagógico”, menciona Junqueira.

Para ajudar as pessoas a melhorarem seus currículos e conseguirem realizar uma transição de carreira para entrar no mercado tech, Guilherme Junqueira indica: “Deixe claro os seus objetivos profissionais, isso passa uma impressão melhor aos recrutadores, que o veem como alguém decidido, que soube fazer uma escolha. Além disso, jamais deixe de pesquisar a fundo o trabalho das empresas que você se candidata. É importante fazer uma análise honesta de quais são os pontos fortes e fracos, qual é o estilo e o perfil de trabalho e em que circunstâncias você rende mais profissionalmente, o que é importante aprimorar, quais são os grandes aprendizados e as vantagens que você tem a oferecer às empresas. Ter esses elementos consolidados na cabeça é essencial para que você entre nos processos seletivos ciente do que você pode oferecer, o que torna mais fácil o contato com a empresa e a sua apresentação para elas”.

Já Renan Conde, Diretor de Vendas da Factorial, solução all-in-one de gestão de Recursos Humanos e Departamento Pessoal, indica que “É importante que o profissional utilize palavras-chave em seu currículo, pois sites como LinkedIn usam IA para encontrar perfis específicos para vagas. Além disso, também pode ser um diferencial atrelar um projeto ao seu currículo como um portfólio e destacar conquistas profissionais”. Para finalizar, o especialista ainda ressalta a importância de investir em especializações, cursos e workshops voltados para capacitação, isso tende a atrair os olhares dos recrutadores que verão mais valor no perfil.